Adel Souki realiza na cerâmica a metáfora da criação do mundo, construindo com seus objetos, esculturas e instalações os sinais que indicam caminhos para um possível entendimento da vida. Em seu depoimento, vislumbramos um mapa em que a artista demarca territórios, registra acontecimentos, evoca histórias, traduz impulsos, desenha caminhos com suas cruciais escolhas de rumo. Adel concentra em suas esculturas essas mesmas forças e substâncias dos povos antigos que moldaram na argila da vida a História, fazendo prevalecer com suas intuições mágicas a força do espírito e seu movimento solar que produz o conhecimento. Para a artista, restaurar para a modernidade esses sentidos não será apenas dar forma nova a antigas configurações. (Márcio Sampaio)